Page Nav

HIDE

Em despedida, Tebet diz não saber ‘onde vida vai me levar’

  Em discurso de despedida do mandato no Senado, Simone Tebet (MDB-MS) afirmou que não sabe “onde a vida vai me levar”, mas que não deixará ...

 

Em discurso de despedida do mandato no Senado, Simone Tebet (MDB-MS) afirmou que não sabe “onde a vida vai me levar”, mas que não deixará de fazer política. O tom de incerteza sobre o futuro vem em um momento no qual a emedebista é cotada para assumir um ministério no futuro governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mas enfrenta processo de fritura de alas petistas que resistem em deixá-la na pasta do Desenvolvimento Social.

– Me despeço do Senado, mas não da vida pública. Não sei onde a vida vai me levar, mas farei política enquanto viver. Lutarei e continuarei a lutar por um Brasil sem fome e sem miséria, que nos devolva a cidadania – afirmou Tebet.

As declarações foram dadas na tribuna do Senado. Ela se despediu da Casa após deixar de concorrer à reeleição ao cargo para disputar a Presidência da República e ficar em terceiro lugar no primeiro turno.

Senadores cobraram a nomeação de Tebet para um ministério. Jorge Kajuru (Podemos-PR) disse que a emedebista assumirá a pasta do Desenvolvimento Social porque espera que o “presidente Lula não queira me ter como inimigo”. Rose de Freitas (MDB-ES) destacou a participação da correligionária na campanha do petista e ponderou que é preciso ter mulheres em cargos de gestão para um projeto de diminuição das desigualdades.

Em discurso afinado com o possível futuro chefe, Tebet defendeu a democracia e disse que é preciso combater os retrocessos deixados pelo governo de Jair Bolsonaro (PL).

– Democracia e direitos constitucionais não podem se limitar a discursos de ocasião. (…) Há tantos retrocessos para combater. É preciso fazer com que o livro volte para o lugar das armas, a esperança ocupe o lugar da iniquidade, a verdade varra definitivamente a mentira, o ouvido conciliador volte a ocupar o lugar do hoje grito de ordem, que o diálogo assuma o lugar do ditado, para que o amor tome o lugar do ódio – destacou.

Tebet ainda relembrou das dificuldades de sua candidatura à Presidência e exaltou o papel das mulheres na política brasileira.

– Não foi fácil a decisão, mas sabia que estava em boas mãos, sabia que você iria me encaminhar no bom caminho. [Você] Viu em mim atributos que eu não tinha, principalmente o amor para servir ao meu Brasil – disse.

A fala foi em referência a Baleia Rossi, presidente nacional do MDB e um dos defensores da candidatura.

– Nos últimos quatro anos, lutei com o fiel propósito para, junto com a bancada feminina, superar o ódio, a violência, as injustiças, a incúria política e administrativa, o descaso e a omissão que, infelizmente, marcaram, nesses quatro anos, a cena política brasileira. Jamais me imaginei ocupando espaços que, durante dois séculos, 198 anos, foram dominados pelo timbre masculino. (…) Que vocês possam dar mais atenção às mulheres que fazem política no Brasil, vocês vão descobrir talento, competência, ética, respeito e, acima de tudo, um amor de mãe por este País e pelas pessoas.

*AE