Page Nav

HIDE

Magnata fake dos bitcoins aplica golpe de R$ 30 milhões e desaparece

  Noitadas em boates sofisticadas sempre regadas a bebidas importadas, carrões superesportivos e viagens para lugares paradisíacos faziam pa...

 

Noitadas em boates sofisticadas sempre regadas a bebidas importadas, carrões superesportivos e viagens para lugares paradisíacos faziam parte da rotina de um homem que vendia a imagem de megainvestidor do mercado financeiro. Levando uma vida de pura ostentação, Thiago da Silva Rocha estava, na verdade, longe de ser um trader de sucesso. O estelionatário criou o personagem para aplicar um golpe estimado em R$ 30 milhões nas mais de 20 vítimas. A Polícia Civil do Distrito Federal apura o caso

O magnata dos bitcoins é natural do Acre, mas desembarcou em Brasília com objetivo de fazer fortuna. Ele começou a frequentar eventos organizados pela alta sociedade da capital da República e passou a fazer amizade com profissionais de sucesso, como médicos, advogados, empresários e servidores públicos federais do Executivo, Legislativo e Judiciário. Desde então, Thiago engordou a sua carteira de clientes. Com lábia afiada, o operador mostrava aos clientes que era possível ter lucro mensal de 3% sobre o valor aplicado nos chamados blocos de ações e no mercado de criptoativos. Para isso, Thiago fazia reuniões, ministrava cursos de operação no mercado financeiro e mostrava a evolução das aplicações em tempo real por meio de uma plataforma desenvolvida por ele.

Prejuízo milionário

Simpático, sedutor e com discurso convincente sobre investimentos, Thiago se aproximou da família de uma trader, acostumada a operar no mercado financeiro. Durante meses, o golpista criou vínculo de amizade com a vítima e parentes dela, como o pai e a irmã. “A intimidade e o elo de amizade eram tamanhos que ele chegava a cozinhar na casa da minha família”, disse a mulher, de 43 anos.

A vítima foi convencida a retirar todas as aplicações financeiras usadas para operar no mercado de renda variável e repassá-las ao suposto trader. O caloteiro chegou a ficar com a senha de várias contas e controlar montante de aproximadamente R$ 1 milhão. “Em troca, Thiago dizia que esse valor renderia 3% ao mês. Ele chegou a pagar alguns dividendos, mas logo parou”, revelou a mulher.


Metrópoles