Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Publicidade abaixo de destaque

Henkel rebate declarações de Huck e Varella sobre morte de Paulo Gustavo

Durante o programa Os Pingos nos Is da Rádio Jovem Pan, a comentarista Ana Paula Henkel rebateu declarações do apresentador Luciano Huck e d...



Durante o programa Os Pingos nos Is da Rádio Jovem Pan, a comentarista Ana Paula Henkel rebateu declarações do apresentador Luciano Huck e do médico Dráuzio Varella, que culparam o governo federal pela morte do ator Paulo Gustavo.

Ana Paula vive nos Estados Unidos e, por isso, também apontou erros cometidos por Huck no discurso sobre a vacinação no Brasil e sobre o ex-presidente americano Donald Trump.

– A gente vê aí atitudes vazias, um profundo pagamento de pedágio ideológico do apresentador. (…) Apenas recentemente, há poucas semanas, a faixa etária do ator Paulo Gustavo começou a ser vacinada aqui nos Estados Unidos. Alguns estados priorizaram professores, bombeiros e policiais, e depois passaram para os cidadãos comuns nessa faixa etária. A gente vê que é um discurso vazio. O governo Donald Trump colocou bilhões de dólares na produção da vacina e nos hospitais de campanha. (…) E, no ano passado, governadores democratas e opositores de Trump elogiaram a prontidão da administração do governo federal – falou.

Ela também destacou o que Déa Lúcia Vieira Amaral, mãe de Paulo Gustavo, disse a respeito da pandemia de Covid-19.

– Ela foi categórica e disse: “A corrupção mata, nós queremos saber onde é que foi parar o dinheiro especializado para esta pandemia. A corrupção mata” – lembrou Ana Paula.

O QUE HUCK DISSE
Luciano Huck, da TV Globo, usou a edição do último sábado (8) do programa Caldeirão do Huck, apresentado por ele, para culpar as ações do governo federal durante a pandemia de Covid-19 pela morte do humorista Paulo Gustavo, a exemplo do que diversos opositores do presidente Jair Bolsonaro têm feito nos últimos dias.

– Foi uma partida injusta porque poderia ser evitada. Se o Brasil tivesse levado a sério essa pandemia desde o começo, hoje todos nós já estaríamos vacinados. E o Paulo não teria partido – disse.

Huck ainda atacou o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ao dizer que o país mudou o jeito de encarar a pandemia após a saída do republicano da Casa Branca.

– Eles tiveram a sabedoria de ouvir a ciência e mudaram os rumos. Em três meses, vacinaram a população. Agora, a Broadway anunciou que vai reabrir suas cortinas. Aqui, seguimos chorando nossos mortos. É muito revoltante – alegou.

VARELLA
Na edição de Fantástico, no domingo (9), Dráuzio Varella disse que o ator perdeu a vida porque não foi vacinado.

– O mais triste neste caso é que ele perdeu a vida só porque não foi vacinado. Se o ministério da Saúde tivesse comprado vacinas quando estavam disponíveis, ele e milhares de outros brasileiros que se foram ainda estariam entre nós – falou.

VACINAÇÃO NOS EUA
O fato, porém, é que os EUA não “mudaram os rumos” no que diz respeito às vacinas, já que foi o próprio governo Trump quem adquiriu os imunizantes que são usados atualmente para vacinar a população norte-americana. Ao todo, a administração anterior adquiriu, com seis laboratórios diferentes, cerca de 800 milhões de doses, ou o suficiente para mais de 400 milhões de pessoas.

Por: Pleno news

Nenhum comentário

Publicidade rodapé