Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Publicidade abaixo de destaque

Luciano Huck espera Moro para decidir se será candidato em 2022

Não, não é a decisão sobre o substituto de Faustão nos domingos da TV Globo. A decisão é para ver se realmente irá enfrentar o presidente Ja...




Não, não é a decisão sobre o substituto de Faustão nos domingos da TV Globo. A decisão é para ver se realmente irá enfrentar o presidente Jair Bolsonaro em 2022.

O que irá determinar a entrada ou não do apresentador no páreo presidencial será a definição do nome dos contendores que nele estarão — um em particular.

A partir dessas duas hipóteses, colaboradores do apresentador veem espaço para o fortalecimento de um nome localizado numa espécie de “centro expandido” que inclui de liberais reformistas a representantes da centro-esquerda que fizeram as pazes com os princípios da economia moderna (o que exclui, por exemplo, Ciro Gomes, do PDT, e Guilherme Boulos, do PSOL).

Povoam esse centro expandido pré-candidatos, assumidos ou não, como o ex-ministro da Saúde, Luiz Mandetta (DEM); o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro; o governador de São Paulo, João Doria (PSDB); e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, tucano que passou a disputar a vaga com Doria.

É gente demais.

Mas, para o entorno de Huck, um enxugamento desse campo não seria suficiente para garantir a competitividade do apresentador.

Para que isso ocorra, é preciso ter certeza de que um nome não estará no páreo, o de Sergio Moro.

Isso porque, na avaliação de um colaborador próximo do apresentador, todos os outros candidatos até agora postos não chegam a fazer sombra a Huck.

Mandetta terá dificuldades em recuperar a tração que perdeu desde que deixou o ministério da Saúde. Doria, apesar do sucesso com as vacinas, não conseguiu aumentar sua popularidade em nível nacional. Eduardo Leite é visto como um nome regional, colocado no cenário por adversários internos de Doria mais para servir de “escudo” contra a candidatura do governador de São Paulo.

Já Sérgio Moro correria na mesma raia de Huck, sobretudo por ser, como o apresentador, popular, nacionalmente conhecido e com bom “potencial de largada”.

Huck não deve fazer qualquer movimento em relação à sua candidatura antes do segundo semestre.

Até lá, ele e seu grupo pretendem avaliar se as recentes derrotas de Moro e da Lava Jato nos tribunais resultarão no seu enfraquecimento ou o contrário (a hipótese de fortalecimento do ex-juiz vem da possibilidade de os revezes sofridos acabarem por conferir-lhe a auréola de vítima da vingança de um complô de corruptos).

Huck aguardará com paciência de monge os próximos movimentos de Moro —e só deve entrar no jogo se o ex-juiz estiver fora dele, ou se entrar tão fraco que acabe dando no mesmo.

Por Terra Brasil

Nenhum comentário

Publicidade rodapé