Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Publicidade abaixo de destaque

Veja quem são os candidatos às presidências da Câmara e do Senado

A corrida pelo comando da Câmara e do Senado tomou forma a partir deste domingo (6), quando o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que os ...






A corrida pelo comando da Câmara e do Senado tomou forma a partir deste domingo (6), quando o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que os atuais presidentes, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, não poderão se reeleger.

Com Maia e Alcolumbre, que seriam fortes candidatos, fora da disputa, multiplicam-se os nomes de possíveis postulantes ao cargo. Alguns já colocados em público, outros ainda especulados nos bastidores.

São dez deputados federais e nove senadores, mas daqui até o começo de fevereiro, quando a votação deve ocorrer, outros ainda podem surgir. Articulações também tendem a acontecer, afunilando os nomes colocados em um número menor de candidaturas.

Saiba qual é a trajetória de cada um e os contornos de cada candidatura.

Câmara

Aguinaldo Ribeiro (PP-PB)

Aguinaldo Ribeiro é deputado federal pelo Progressistas (PP) da Paraíba, estando no terceiro mandato. Antes, foi duas vezes deputado estadual na Paraíba. É filiado ao PP desde 1995.

Ribeiro ocupa a influente posição de líder da Maioria na Câmara e é relator de um dos principais projetos em tramitação no Congresso, a Reforma Tributária.

É considerado próximo ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e já participou dos dois últimos governos. Entre 2012 e 2014, foi ministro das Cidades, no governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Entre 2017 e 2018, foi líder do governo Michel Temer (MDB) na Câmara dos Deputados.

Arthur Lira (PP-AL)

Arthur Lira é deputado federal pelo Progressistas (PP) de Alagoas, estando no terceiro mandato. Antes, foi três vezes deputado estadual de Alagoas e duas vezes vereador em Maceió (AL). É filiado ao PP desde 2009, tendo passado por PFL, PSDB, PTB e PMN.

Lira é o líder do maior bloco da Câmara dos Deputados, formado por PP, PL, PSD, Solidariedade e Avante, que totaliza 135 parlamentares.

É considerado o candidato a ser apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Arthur Lira foi um dos articuladores da aproximação dos partidos do chamado “Centrão” com o Palácio do Planalto.

Baleia Rossi (MDB-SP)

Baleia Rossi é deputado federal pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB) de São Paulo, estando no segundo mandato. Antes, foi três vezes deputado estadual de São Paulo e três vezes vereador de Ribeirão Preto (SP). É filiado ao MDB desde 1992.

Rossi é o líder do MDB na Câmara dos Deputados, a segunda maior bancada individual da Casa, atrás apenas do PT. É o autor da PEC da reforma tributária que tramita na Câmara.

Baleia Rossi é o atual presidente nacional do MDB. Seu partido tem atuado, na Câmara, em aliança principalmente com o DEM e o PSDB.

Capitão Augusto (PL-SP)

José Augusto Rosa, o Capitão Augusto, é deputado federal pelo Partido Liberal (PL) de São Paulo, estando no segundo mandato.

Rosa é filiado desde 2014 ao PL, que então se chamava PR, e exerce na Câmara seu primeiro cargo público.

Capitão Augusto é o coordenador da chamada “bancada da bala”, nome pelo qual é conhecida a Frente Parlamentar da Segurança Pública. Ele está licenciado do posto de policial militar do Estado de São Paulo.

Elmar Nascimento (DEM-BA)

Elmar Nascimento é deputado federal pelo Democratas (DEM) da Bahia, estando no segundo mandato.

Antes, foi três vezes deputado estadual da Bahia e três vezes vereador de Campo Formoso (BA). Elmar é filiado ao DEM desde 2013, tendo passado antes por PL/PR.

Nascimento é visto como um nome próximo ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Neste ano, esteve envolvido em uma espécie de “prévia” da disputa pelo comando da Casa.

Ele foi eleito presidente da Comissão Mista do Orçamento (CMO) derrotando Flávia Arruda (PL-DF), candidata do possível adversário Arthur Lira.

Fábio Ramalho (MDB-MG)

Fábio Ramalho é deputado federal pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB) de Minas Gerais, estando atualmente no seu quarto mandato.

Antes, foi prefeito de Malacacheta (MG). Ramalho é filiado ao MDB desde 2016, tendo sido de PTB, PFL, PV e PMB.

Ramalho foi eleito 1º vice-presidente da Câmara em 2017, derrotando colegas de partido que eram favoritos, Osmar Serraglio (PR) e Lúcio Vieira Lima (BA).

Em 2019, ele tendou a Presidência da Casa contra Rodrigo Maia, mas não foi eleito.

Fernando Coelho Filho (DEM-PE)

Fernando Coelho Filho é deputado federal pelo Democratas (DEM) de Pernambuco, estando atualmente no seu quarto mandato.

É filiado ao DEM desde 2018. Antes, foi filiado ao PSB e ao MDB.

Coelho é filho do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) no Senado Federal. Entre 2016 e 2018, Fernando Filho foi ministro de Minas e Energia do governo Michel Temer (MDB).

Luciano Bivar (PSL-PE)

Luciano Bivar é deputado federal pelo Partido Social Liberal (PSL) de Pernambuco, estando atualmente em seu terceiro mandato não-consecutivo. É fundador e filiado ao PSL desde 1997. Antes, foi filiado ao PL.

Bivar é o atual 2º vice-presidente da Câmara dos Deputados. Em 2018, ficou conhecido por ter aberto as portas do PSL, partido do qual é presidente nacional, para a candidatura de Jair Bolsonaro a presidente da República.

Luciano Bivar se aproximou do grupo do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Essa aproximação se intensificou depois que o presidente Jair Bolsonaro deixou o PSL. Luciano Bivar é ex-presidente do Sport Clube do Recife.

Marcos Pereira (Republicanos-SP)

Marcos Pereira é deputado federal pelo Republicanos de São Paulo, estando atualmente em seu primeiro mandato. Ele é o presidente nacional do Republicanos.

Pereira é o atual 1º vice-presidente da Câmara dos Deputados. Entre 2016 e 2018, foi ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços do governo Michel Temer (MDB). É bispo licenciado da Igreja Universal.

Senado

Antonio Anastasia (PSD-MG)

Antonio Anastasia é senador de Minas Gerais pelo Partido Social Democrático (PSD), estando atualmente em seu primeiro mandato. Antes, foi vice-governador e governador de Minas Gerais. É filiado ao PSD desde 2020, tendo sido antes do PSDB.

Anastasia é o atual 1º vice-presidente do Senado. Em seu mandato, o senador foi o relator do processo de impeachment que levou à cassação da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) em 2016.

Eduardo Braga (MDB-AM)

Eduardo Braga é senador do Amazonas pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB), estando atualmente em seu segundo mandato.

É filiado ao PMDB/MDB desde 2004, tendo antes passado por PDS/PPR/PPB (versões antigas do atual PP) e pelo PPS, atual Cidadania.

Braga foi deputado estadual, federal, vice-prefeito, prefeito de Manaus e duas vezes governador do Amazonas. Entre 2015 e 2016, ele foi ministro de Minas e Energia do governo Dilma Rousseff (PT).

Ele é líder do MDB e da Maioria no Senado.

Eduardo Gomes (MDB-TO)

Eduardo Gomes é senador de Tocantins pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB), estando atualmente em seu primeiro mandato.

Antes, foi três vezes deputado federal e três vezes vereador de Palmas (TO). É filiado ao MDB desde 2019, tendo passado antes por PSB, PSDB e Solidariedade.

Gomes é o líder do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Congresso Nacional.

Fernando Bezerra (MDB-PE)

Fernando Bezerra Coelho é senador de Pernambuco pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB), estando atualmente em seu primeiro mandato.

Antes, foi deputado estadual, deputado federal e três vezes prefeito de Petrolina (PE). É filiado ao MDB desde 2017, tendo passado antes por PDS (atual PP), PFL (atual DEM), PPS (atual Cidadania) e PSB.

Fernando Bezerra foi ministro da Integração Nacional entre 2011 e 2013, no governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). É o atual líder do governo Jair Bolsonaro (sem partido) no Senado Federal.

Major Olímpio (PSL-SP)

Sérgio Olímpio Gomes, conhecido como Major Olímpio, é senador de São Paulo pelo Partido Social Liberal (PSL), estando atualmente em seu primeiro mandato. 

Antes, foi duas vezes deputado estadual e uma vez deputado federal. É filiado ao PSL desde 2018, tendo passado por PV, PDT e PMB. 

Major Olímpio é o líder do PSL no Senado Federal.

Márcio Bittar (MDB-AC)

Márcio Bittar é senador do Acre pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB), estando atualmente em seu primeiro mandato.

Antes, foi deputado estadual e deputado federal. É filiado ao MDB desde 2017, tendo passado antes por PPS (atual Cidadania) e pelo PSDB.

Bittar é o relator do orçamento de 2021 no Congresso Nacional e é visto como um nome próximo ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Nelsinho Trad (PSD-MS)

Nelson Trad Filho, conhecido como Nelsinho Trad, é senador do Mato Grosso do Sul pelo Partido Social Democrático (PSD), estando atualmente em seu primeiro mandato.

Antes, foi deputado estadual, vereador e prefeito de Campo Grande (MS). É filiado ao PSD desde 2019, tendo passado por PTB e pelo PMDB (atual MDB). Nelsinho é primo do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM).

Otto Alencar (PSD-BA)

Otto Alencar é senador da Bahia pelo Partido Social Democrático (PSD), estando atualmente em seu primeiro mandato.

Antes, foi deputado estadual, governador e vice-governador da Bahia. É filiado ao PSD desde 2011, tendo pertencido antes ao PTB, PL, DEM e PP.

É o líder do PSD no Senado Federal.

Renan Calheiros (MDB-AL)

Renan Calheiros é senador de Alagoas pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB), estando atualmente em seu quarto mandato.

Antes, foi deputado estadual, deputado federal e ministro da Justiça do governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB). 

Renan já foi três vezes presidente do Senado e é pai do governador de Alagoas, Renan Filho (MDB).

Simone Tebet (MDB-MS)

Simone Tebet é senadora do Mato Grosso do Sul pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB), estando atualmente em seu primeiro mandato.

Antes, foi vice-governadora do Mato Grosso do Sul e prefeita de Três Lagoas (MS). É a atual presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. 

Simone Tebet é filha do ex-presidente do Senado Ramez Tebet.

Um comentário

  1. O Dória nem pra síndico ganha mais. Ele já está derrotado. É um aproveitador. Usa a pandemia como trampolim para levar vantagem nas próximas eleições.

    ResponderExcluir

Publicidade rodapé