Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Publicidade abaixo de destaque

"Odeio ser mãe". A história da mulher que se arrepende da maternidade

O tema da maternidade tem ganhado visibilidade com muitas mulheres tendo coragem para assumir que nem tudo é tão perfeito como muitas mães d...



O tema da maternidade tem ganhado visibilidade com muitas mulheres tendo coragem para assumir que nem tudo é tão perfeito como muitas mães dizem ou até como muitas idealizam.

Karla Tenório, atriz e escritora, tornou-se numa das mais recentes motivadoras da discussão nas redes sociais, ao admitir o fato de odiar ser mãe.

A mulher conta que nunca quis ter filhos, mas acabou por ceder à ideia por amor ao marido. A gravidez não foi uma jornada fácil e o que veio a seguir, não compensou tudo o que sofreu, defende.

"Sou Karla Tenório, tenho 38 anos, sou atriz, escritora, tenho uma filha de 10 anos e sou uma mãe arrependida. Transformei a minha angústia num movimento para amparar mulheres como eu: que não gostam da maternidade. Sou criadora do 'Mãe Arrependida' que visa à libertação da voz das mães que não são felizes como mães, que sofrem e sentem culpa por conta da maternidade", escreveu a mulher recentemente. 

A escritora conta que odeia ser mãe "desde que a menina saiu de dentro de si", uma situação que lhe causou uma depressão pós parto devido à pressão para ser uma boa mãe, mesmo quando sentia que essa não era a sua missão.

Dez anos depois, Karla "decidiu sair do armário", não para causar polêmica, mas para incentivar outras pessoas a compartilhar aquilo que realmente sentem. "Durante muitos anos pensei que era a única a me sentir assim", confessa Karla, que ainda hoje diz que tenta superar o arrependimento que sente por ter sido mãe.

"Na nossa sociedade, somos filhos e netos de muitas mães arrependidas. E as mulheres devem se sentir livres para desabafar. Penso, também, na importância  de alertar as mulheres que ainda não tiveram filhos e que pensam tê-los, sobre o que realmente é a maternidade. É preciso acabar com o lado romântico da maternidade, que acaba por ser muito prejudicial porque nos provoca tristeza, depressão e a morte", reforça.

Karla em momento algum nega amar a filha, mas afirma que o sacrifício e a obrigação de ser uma boa mãe nunca foi uma tarefa fácil. Afirma, por isso, que este movimento se trata de uma ação "de amor" para que outras mulheres, incluindo a sua filha, possam decidir se querem ser mães ou não, estando cientes dos sacrifícios que tamanha tarefa acarreta.

POR NMBR

Nenhum comentário

Publicidade rodapé