Page Nav

HIDE

Tentaram matá-lo e agora querem prendê-lo”, diz Carlos

  Nesta segunda-feira (2), o vereador Carlos Bolsonaro (PL-RJ) criticou o pedido de prisão preventiva que foi protocolado pelo Partido Socia...

 

Nesta segunda-feira (2), o vereador Carlos Bolsonaro (PL-RJ) criticou o pedido de prisão preventiva que foi protocolado pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) contra o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Por meio das redes sociais, o parlamentar publicou uma foto que mostra seu pai no hospital e destacou a facada sofrida por Bolsonaro em 2018.

O autor da facada, Adélio Bispo, é ex-filiado do Psol, segundo informações do Metrópoles.

– Ontem antigo partidário do PSol tentou assassinar Jair Bolsonaro, hoje o Partido Socialismo e Liberdade, braço do PT, quer prendê-lo – escreveu Carlos, no Twitter.

A bancada do PSOL na Câmara dos Deputados protocolou, nesta segunda-feira (2), um pedido de prisão preventiva no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o ex-presidente Bolsonaro (PL). O documento é assinado pelo presidente da sigla, Juliano Medeiros; pelos atuais deputados federais da legenda e pelos congressistas eleitos.

Na ação, além do pedido de prisão, os integrantes do partido pedem a quebra de sigilo telefônico e telemático, busca e apreensão de documentos, e também a apreensão do passaporte do ex-presidente. Bolsonaro deixou o Brasil na última sexta-feira (30) e está no estado norte-americano da Flórida com a família.

O partido acusa Bolsonaro de demonstrar, em suas falas e atitudes, “a falta de apreço pela democracia” e afirma que “houve uma intensificação de sua intentona antidemocrática desde que pesquisas passaram a apontar sua baixa chance de reeleição à Presidência da República”.

– Se antes atacava, de maneira completamente infundada, a credibilidade das urnas eletrônicas, passou também a atacar a lisura do Poder Judiciário na condução do processo eleitoral, defendendo tácita e expressamente o rompimento da ordem constitucional a fim de realizar “eleições limpas” – alegou o PSOL.

O pedido da sigla de esquerda, que foi protocolado no âmbito do chamado inquérito das milícias digitais, afirma ainda que Bolsonaro “enalteceu a ditadura militar, defendeu abertamente golpe de Estado e divulgou fake news sobre fraude eleitoral durante todo o seu período a frente do poder Executivo”.

– Como disse o presidente Lula ontem [domingo, 1°], não queremos revanchismo. O que queremos é que os responsáveis pela morte de milhares de brasileiros respondam no rigor da lei. E pra ontem! – escreveu o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, em seu perfil no Twitter.