Grupo Globo investe milhões em outras empresas. Veja quais são!

Em busca de diversificação em seu modelo de negócios, o Grupo Globo tem feito uma série de investimentos em startups e em novas plataformas nos últimos anos. De maquininha de cartões a comércio digital, o conglomerado da área de comunicação tem feito aportes financeiros com fronteiras amplas pelo mundo executivo.

Desde 2017, a Globo tem construído um portfólio de investimentos em startups dos mais diversos setores. Os primeiros aportes neste nicho de mercado foram feitos em empresas como a Órama, plataforma de investimentos que concorre com a XP e com a Bom Pra Crédito, um serviço de empréstimo que reúne diversas financeiras.

Uma outra parceria da Globo, essa mais robusta, foi fechada com a Stone, empresa de pagamentos que acabou ampliando sua atuação no setor de máquina de cartões e de negócios financeiros justamente após uma parceria firmada com o Grupo Globo, em 2019, que resultou na TON, empresa voltada para microempreendedores e profissionais autônomos com 33% de participação da Globo e 67% da Stone.

No ramo de comércio eletrônico, a Globo investiu no site Enjoei, que atua no setor de venda de itens novos e usados, nos moldes do tradicional OLX. O aplicativo de logística Rappi, que atua com serviços de entrega; a empresa de apps tech.fit, que desenvolve aplicativos relacionados a bem-estar, saúde e dietas; o site Ingresse, focado na venda de ingressos; e a plataforma Buser, o “Uber dos ônibus”, também receberam aportes da Globo.

A partir do início de 2020, com a ida de Roberto Marinho Neto, um dos herdeiros da Globo, para o comando do braço de investimentos do grupo, a Globo Ventures, os investimentos nas empresas digitais ganharam ainda mais espaço dentro do conglomerado de comunicação, e os valores ganharam números astronômicos.

Segundo o site especializado em investimentos Crunchbase, a Globo Ventures participou de nada menos que oito investimentos em startups apenas entre maio e setembro deste ano, incluindo um novo aporte de 138 milhões de dólares (R$ 750 milhões) na Buser, em junho, e de 21 milhões de dólares (R$ 114 milhões) na plataforma de negócios imobiliários Em Casa, em julho.

O mais astronômico dos valores, porém, foi o mais recente deles. No último dia 28 de setembro, em um aporte que foi liderado pela multinacional japonesa Softbank e pelo fundo de investimentos Advent, mas que contou com a parceria da Globo Ventures, foram investidos nada menos que 225 milhões de dólares (R$ 1,22 bilhão) na startup Merama.

A empresa, que apesar de sequer ter completado um ano de operações, já tem 20 empresas em seu portfólio. O que a Merama faz, na prática, é comprar participações em companhias que vendem seus produtos em marketplaces e ajudar a alavancar essas vendas, com estratégias de marketing, logística e estratégia comercial.

Por: Pleno.News

Postar um comentário

0 Comentários

Páginas