Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Publicidade abaixo de destaque

Uma nova escola para atender 1,6 mil crianças

Importantes obras para a população do Itapoã foram visitadas pelo governador Ibaneis Rocha nesta quarta-feira (5). Acompanhado por uma comit...



Importantes obras para a população do Itapoã foram visitadas pelo governador Ibaneis Rocha nesta quarta-feira (5). Acompanhado por uma comitiva, o chefe do Executivo esteve no canteiro de obras da Escola Classe 203, no Itapoã, e da Escola Técnica, no Paranoá, com investimento total nessas duas unidades de R$ 20,7 milhões.

No Itapoã, a Escola Classe 203 está com 10% da obra executada e terá capacidade para atender 1,6 mil estudantes. A unidade vai contar com 23 salas de aulas distribuídas em três pavimentos. Além disso, terá biblioteca, laboratório, auditório, refeitório, parque, quadra poliesportiva e espaços multiúso.

A previsão é que o colégio seja concluído ainda em 2021 para receber os estudantes no ano letivo de 2022. Esta obra é fruto de um convênio entre a Secretaria de Educação, a Terracap e a Novacap e conta com um investimento de R$ 8,4 milhões. Com a empreitada, o governo criou 130 empregos.

Durante a visita, o governador Ibaneis Rocha esteve atento aos detalhes da obra apresentados na planta. Em seguida, falou das necessidades da cidade. “O Itapoã é uma região muito carente aqui do Distrito Federal mas, agora, nós estamos realizando as obras”, disse. “Nós estamos aqui [construindo] um terminal rodoviário que não existia, nós temos uma escola sendo construída, nós temos a feira que vai ser construída, temos a reforma de praças que estão sendo feitas aqui na cidade. Então, nós temos aqui um conjunto de obras para melhorar a vida dessas pessoas”, enumerou.

Vários ambientes na futura Escola Classe 203: biblioteca, laboratório, auditório, refeitório, parque, quadra poliesportiva, espaços multiúso e 23 salas

De acordo com o secretário de Educação Leandro Cruz, a região tem grande demanda para abrigar as crianças na rede de ensino. “A construção dessas duas escolas, uma no Itapoã e outra no Paranoá, significa para a rede pública um grande alívio e para toda essa região uma oferta de vagas extremamente necessária”, apontou.

À frente da Novacap, responsável pela obra, o diretor-presidente Fernando Leite considera o projeto da escola “maravilhoso. “Uma escola moderna dentro das melhores definições e necessidades na área de educação”, acrescentou.

Para a dona de casa Edilene Paz Campos, 67 anos, o Itapoã ganha com obras essenciais para o seu crescimento. “Moro aqui desde o começo, né? Vai ser muito bom esse terminal e o colégio porque eles vão beneficiar muitas pessoas. É importante pro desenvolvimento da comunidade, vamos ter mais uma opção de educação”, apontou.

Escola técnica no Paranoá

No Paranoá, a comitiva do governador acompanhou de perto a obra da escola técnica, com investimento de R$ 12,3 milhões. A unidade vai gerar 70 empregos e tem previsão de entrega para julho de 2022. A estrutura vai atender 1,2 mil alunos e conta com seis blocos, divididos entre 12 salas de aula, oito laboratórios, biblioteca, área de convivência, quadra, auditório, refeitório e teatro.

Resumo das obras.

Escola Classe 203 do Itapoã

– Capacidade para 1,6 mil estudantes;
– 10% da obra executada;
– Previsão de conclusão em 2021;
– Investimento de R$ 8,4 milhões;
– Geração de centenas de empregos;
– A escola terá 23 salas de aula, biblioteca, laboratório, auditório, refeitório, parque, quadra poliesportiva, espaço multiúso, entre outros.

Obra da Escola Técnica do Paranoá

– Investimento de R$ 12,3 milhões;
– Localizada na Quadra 01, Conjunto A;
– Obra iniciada em abril;
– Geração de 70 empregos
– Prazo de entrega é julho de 2022;
– Capacidade para 1,2 mil alunos
– Área de 5.557,39 m²
– A estrutura terá seis blocos, divididos entre 12 salas de aula, oito laboratórios, biblioteca, área de convivência, quadra, auditório, refeitório e teatro;
– Escola também terá depósito de materiais, secretaria, recepção, sala dos professores e de coordenação, diretoria, refeitório e vestiários;
– A definição dos cursos será feita em audiências públicas e consultas à comunidade.

por: IAN FERRAZ, DA AGÊNCIA BRASÍLIA* | EDIÇÃO: MÔNICA PEDROSO

Nenhum comentário

Publicidade rodapé