Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Pages

Publicidade abaixo de destaque

Suzane von Richthofen tem pedido para ir ao regime aberto negado

Presa desde 2004 por matar os pais, ela cumpre pena no regime semiaberto, com direito a saídas temporárias O pedido de progressão ao regime ...



Presa desde 2004 por matar os pais, ela cumpre pena no regime semiaberto, com direito a saídas temporárias

O pedido de progressão ao regime aberto de Suzane Von Richthofen, condenada a 39 anos pela morte dos pais, foi negado por quatro votos a um, em decisão tomada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo nesta quinta-feira (17/9).


Suzane Von Richthofen segue cumprindo a pena no regime semiaberto, com direito a saídas temporárias desde outubro de 2015. A primeira saída dela aconteceu em março de 2016, beneficiada pela saída temporária de Páscoa.

A Defensoria Pública foi a responsável por fazer o pedido, em 2018, quando Suzane atingiu o tempo necessário da pena para a progressão. Presa desde 2004, ela está na Penitenciária Feminina Santa Maria Eufrásia Pelletier.

Ainda no ano de 2018, o pedido feito pela Defensoria Pública já havia sido negado em primeira instância, mas a defesa recorreu pedindo que fosse reanalisado, desta vez em segunda instância. A decisão de rejeitar o pedido de ida ao regime aberto foi da 5ª Câmara de Direito Criminal do TJ-SP.



Em 2018, a Justiça pediu exames psicológicos complementares de Suzane, o que desacelerou o processo. No exame de Rorschach, os laudos teriam atestado que a presa teria traços de egocentrismo, infantilidade e narcisismo, o que foi usado como base para mantê-la em cárcere.

A defesa recorreu ao TJ-SP. Em março de 2019, o colegiado do Tribunal de Justiça decidiu mantê-la presa.

Nesta quinta-feira, o pedido foi novamente analisado, a partir de um novo recurso – um embargo infringente.


Além de ter cumprido o tempo exigido da pena para a progressão, ela tem cerca de três anos de remissão de pena por trabalhos na unidade prisional e tem atestado de bom comportamento pela unidade prisional.

O que diz a Defensoria
Até o momento, a responsável pelo pedido de progressão da pena, a Defensoria Pública, informou que não foi notificada da decisão. Apesar de o pedido ter sido feito pela Defensoria, ele foi defendido por uma advogada escolhida por Suzane, que destituiu o órgão no processo durante o trâmite.

Por Metrópoles

Nenhum comentário

Publicidade rodapé